Edilma Duarte
Historiador: profissão regulamentada 

O dia 19 de agosto é dedicado ao Historiador, o profissional que estuda o passado da humanidade, de civilizações e lugares. A data foi instituída em 2012, por meio de um projeto de lei (PL 12.1302009, em homenagem ao diplomata e escritor e Joaquim Nabuco, nascido em 19 de agosto de 1849. Neste 2020, finalmente, depois de anos de luta, os profissionais da área têm o que comemorar. O Presidente Jair Bolsonaro promulgou nesta terça-feira (18) a Lei Nº 14.038, de 17 de agosto de 2020, que regulamenta a profissão de Historiador.

 

Socorro aos vulneráveis 

Louvável a agilidade na aprovação, pelos vereadores de Foz, de verbas emergenciais para acolhimento de pessoas em situação de vulnerabilidade. Votado em regime de urgência, nesta quarta-feira (19), o projeto de lei 94/2020 do Executivo que propõe a abertura de crédito adicional especial para transferência de recursos emergenciais para entidades de assistência social, será de grande valia. Tem gente demais em situação de rua, tem gente demais passando necessidade.

 

Deselegante

Você participaria de uma videoconferência se recebesse as 12h30 um convite para um evento que ocorreria às 13 horas? Nem sei se podemos chamar de deselegância. Creio que o fato está mais para falta de consideração, mesmo.

 

Vai chover vacina

Felizmente, para toda a humanidade, vários países estão empenhados em desenvolver e produzir uma vacina 100% eficaz contra a Covid-19. Atualmente nove países que desenvolvem a vacina para o coronavírus já testam em humanos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Três na reta final 

Só o Reino Unido, China e Estados Unidos estão na terceira e última etapa. Esta semana a Anvisa liberou para testes a terceira fase da vacina desenvolvida pela Johnson & Johnson. Na terça-feira (18) a OMS disse que a imunidade de rebanho “não é uma solução” e pediu o fim do que chamou de “nacionalismo da vacina.

 

Que venha rápido

Estou certa de que assim como nós, você que nos lê não está preocupado, ou preocupada, com a origem, ou melhor dizendo, o protagonismo no caso da vacina. O importante é que seja testada, aprovada, liberada para produção em massa e comercializada o mais rápido possível.

 

Guerra das vacinas

Infelizmente os interesses econômicos falam mais alto até em casos de vida e morte. De acordo com o professor de relações internacionais na Universidade de Brasília (UnB), Roberto Menezes, em entrevista na Rádio Senado, a disputa entre EUA e China pela vacina da Covid-19 atende a outros interesses, para além da saúde. Segundo ele, os Estados Unidos querem usar as leis de patentes para comercializar a vacina. Já a China declarou que transformará a tecnologia para a produção da vacina em bem público universal