No Bico do Corvo
Eleições

Senado aprovou a PEC que prorroga eleições. Elas acontecerão em 15 de novembro, quase um mês e meio do prazo original que é 03 de outubro. Com a data, nossos intrépidos candidatos podem pelo menos, vislumbrar uma estratégia de campanha. O pai do Corvo disse que 15 de novembro, data da Proclamação da República, foi durante muitos e muitos anos, o dia das eleições. 

A PEC
A Proposta de Emenda Constitucional - é isso que significa uma PEC e muita gente enche a boca para falar, mas não sabe o que é - adia as eleições municipais para prefeitos e vereadores em 2020. A culpa é do coronavírus. Os senadores votaram em dois turnos e o placar final foi 67 a 8. O projeto segue agora para apreciação da Câmara dos Deputados, que pode, como sempre, fazer uns ajustes aqui e ali. 

Primeiro e segundo turnos 
O primeiro turno será em 15 de novembro e, o segundo, dia 29 de do mesmo mês, sem alteração para a posse dos eleitos, em 1º de janeiro. Como tudo adiou, o registro das candidaturas também, ele poderá ser realizado até 26 de setembro. Segundo o projeto, as convenções partidárias pulam para 31 de agosto a 16 de setembro. Candidatos que utilizam meios de comunicações para fazer comentários e programas poderão se apresentar até 11 de agosto. Depois disso, o registro da candidatura pode melar. 

Mexe-mexe
O Gdia publicou em matéria de capa, com chamada principal, que em Foz, mais de dez candidatos podem disputar as eleições. O Corvo relacionou mais de 20 e na lista, alguns nomes são inusitados, mais pelo folclore do que pela capacidade de disputa. A matéria do Gdia aborda nomes como Chico Brasileiro, Paulo Mac Donald Ghisi, Sidnei Prestes Júnior, Luiz Henrique Dias, Vilmar Andreola, Bibiana Orsi, Nelton Friedrich, Ranieri Marchioro, Cássio Lobato, Tatiana Fruet e Ricardo Albuquerque. Mas como se sabe, há nomes que se apresentam ou que estão à disposição dos partidos, como é o caso do veterano Tércio Albuquerque e de mais três vereadores da atual legislatura. No processo de avaliação, uns somam com outros, uns desistem e o número de candidaturas despenca. Historicamente tem sido assim, mas com a advento das redes sociais, nunca se sabe. 

Lives e debates
A Justiça Eleitoral aguarda um pacote para a realização de eventos com as novas tecnologias, como é o caso dos debates virtuais, ao vivo, como ocorrem shows, maratonas artísticas e reuniões. Será, no mínimo, divertido apreciar os embates, sobretudo em tempos de pandemia. Tudo indica que ainda teremos pandemia no período eleitoral, com distanciamento para ir votar e todas as demais recomendações. Provavelmente as urnas estarão em locais abertos.

Situação geral
Como estamos em ano eleitoral, é proibido fazer pesquisa, ou divulga-las, sem o devido registro legal. Mas o Corvo saiu por aí avaliando uma série de situações e concluiu que a maré não está boa para propícia para o setor político. A população está com a moral derrubada e não quer pensar muito em eleições, disputas, e o que normalmente acontece em períodos assim. Nos anos anteriores, à esta altura, o circo já estava pegando fogo, com levas de candidatos correndo a cidade, tentando arregimentar segmentos, localidades de apoio, enfim, tudo era muito diferente. Veremos como será isso, com tantas limitações.   

As sete pragas
Pelo menos quatro estão em vigência, Covid-19, Dengue, Gripe H1N1 e a provável invasão de gafanhotos que se aproxima do Sul do Brasil e provavelmente abarcará o Paraná. Faltam apenas três pragas e daí o mundão véio vai se acabar de vez. O que será, vem pela frente em matéria de desgraça? Essa dos gafanhotos ninguém esperava. 

São João
Havia uns pedaços de pau no fundo do quintal e o Corvo deu de fazer uma fogueira para ensinar os corvinhos como era uma festa junina das antigas. O fogo ficou tímido e não demorou, alguém ligou pedindo para Apagar, do contrário, chamaria os bombeiros. A vizinhança está tão de olho em tudo, que não dá nem para fazer um churrasco, em tempos de pandemia, o que dizer de uma fogueirinha de São João. Mas o pessoal tem razão. Alguns hábitos são incompatíveis com a modernidade. 

Notícia ruim
Alguém teve o cuidado de entrar em contato com o Corvo, reclamando da onda de notícias ruins, como este colunista fosse um “arauto” da desgraça. É simples: arranja uma notícia boa, que a gente insere no noticiário e com destaque. O caso é que está difícil, não se vê nada acontecer que não seja tristeza, morte, sonhos frustrados, ideias morrendo na casca, crimes, fuzarca política e doideiras de todos os tipos. O Corvo adora notícias boas, mas, elas são uma raridade pelo momento. 

Alívio
Coisa boa é ver a criatividade superando a crise, como o caso dos laboratórios das universidades inventando equipamentos, respiradores, inúmeras vezes mais baratos que os fabricados na China e mundo afora. Mas alguém sabe de governo ou hospital que topou um projeto caseiro, desses milagrosos? Algum governo topou instalar respiradores com motores de limpadores de para-brisas? Difícil né? E os gatunos de plantão vão desperdiçar a oportunidade? Acorda Alice! É triste acompanhar tantos esforços e ideais geniais desprezadas, por aproveitadores do dinheiro público.     

Sem saída
Os trabalhadores do setor de Turismo são os que mais sofrem com a pandemia. Se bem que não há assim uma “escala de sofrimento”, porque a situação pega geral. Mas no turismo, diferente do comércio, não há nada para se fazer, porque o setor sofreu um baque devastador; guias, motoristas, agentes de viagens e muitos funcionários da rede hoteleira estão enfrentando dificuldades. E não está fácil também para taxistas, motoristas de aplicativos, muitos vivem de fazer entregas. É triste de ver. 

Covid-19 manda ver
E a lista de contaminação aumenta. Três localidades foram bloqueadas e o Corvo soube que há possibilidade de mais dois bloqueios no distrito norte. Não demora, o perímetro será ampliado até perto de Três Lagoas, com cancelas na Tancredo Neves. Todos os bairros daquele setor estão alaranjados no mapa.

Testagem
Corvo, será que não é o caso Foz realizar um teste em massa da população? Sei de gente com o covid-19, mas que os familiares e pessoas que residem na mesma casa, ainda não foram testadas. Isso é normal? Não seria o caso isolar todas as pessoas próximas dos pacientes em observação e que estão se tratando em casa? Não entendo como isso acontece.
Paula R. Santos

O Corvo responde: o procedimento é exatamente este. O Corvo também não está convencido. As pessoas são testadas apenas se apresentarem os sintomas, o que parece não ser nada seguro, porque os considerados assintomáticos, podem espalhar a doença. Mas enfim, são políticas públicas e devem saber o que estão fazendo. Por isso quem puder, que fique em casa. 

Cascavel
É provavelmente uma das cidades mais afetadas pelo coronavírus no Paraná, mas as autoridades seguem na contramão, flexibilizando, o que contraria todas as medidas de combate à doença. Parece até que jogaram a toalha, partindo para a seleção natural, onde os fortes, sobreviverão. Que coisa isso? Parece ficção.  

Tiros
Essa mania de atirarem para o alto, no lugar de soltarem rojão nunca acaba bem. A bala sobe e depois desce, cai, igual um foguete, perfurando janelas, telhados e até automóveis. Há medo de denunciar quem faz isso, porque em geral, esses prevalecidos se vingam ou intimidam. Que barbaridade. 

Caneta irresponsável
Que tipo difícil é esse tal de Abrahan Weintraub hein? Num comportamento de piá pançudo, promoveu uma série de revogações horas antes de deixar o Ministério, causou foi um estrago geral na pasta e isso dará um trabalhão para o sucessor. Falar nisso, o paranaense Renato Feder estaria analisando a proposta de assumir o desafio. 

Vazamento
Largaram nas redes sociais os recibos de pagamento dos funcionários do Centro de Convenções. A folha não é pequena. Mas e qual a novidade? Tudo o mundo está cansado de saber salários de servidores. Alguém andou visitando a estrutura para saber se ela comporta abrigar quem está se recuperando do covid-19. Um pouco tarde né; a solução parece mesmo usar quartos de hotéis. 

Alguém viu?
A caça à mulher do Queiroz chegou à fronteira. Alguém ligou para o Corvo informando que ela estaria pela cidade. O informante forneceu o endereço inclusive. O Corvo pediu para a pessoa ligar para a polícia, porque o colunista não é detetive e nem nada. Se ela é procurada, qual o problema em avisar as autoridades? No mais, toda vez que alguém foge, as mentes férteis começam a imaginar que os fugitivos estão na área de fronteira.