Donizeti Melo
Economia no futebol

O segmento econômico relacionado ao futebol, levando em conta os 19 clubes analisados, gerou no Brasil, recentemente, cerca de R$ 5 bilhões, com grande concentração dos clubes localizados no Rio de Janeiro e em São Paulo. Esse resultado, por si só, indica que o mercado do futebol se mostra promissor no país.

Superávit
Quando são analisados os resultados do ano, contudo, o cenário mostra-se bem mais modesto. O superávit líquido dos 19 clubes em conjunto é de apenas R$ 32 milhões, o que representa pouco mais de 0,66% de rentabilidade (resultado/receita líquida). Dos 19 clubes analisados, 11 apresentaram déficit. Considerando-se a rentabilidade apenas dos clubes restantes, ela oscilou entre 2% (São Paulo) e 26% (Vasco da Gama), apresentando-se, em média, no patamar de 11%.

Maus investimentos
Um aspecto que deve ser considerado ao se promover a análise da rentabilidade é o de que, em sua maioria, os clubes de futebol brasileiros adotam a forma de associações, e a legislação tributária exige como requisito para gozo de isenção fiscal que elas não apresentem superávit ou, caso o apresentem, que esse seja aplicado na manutenção dos objetos institucionais. Assim, poder-se-ia considerar que os resultados negativos da maioria dos clubes nos últimos dois anos foram devido à realização de investimentos pelos clubes. 

Patamar médio
Entre os componentes dos custos dos clubes de futebol, os gastos com pessoal variam entre 29% e 75%, apresentando um patamar médio correspondente a 50% das receitas líquidas.

Geração assimétrica
A capacidade de geração de caixa dos clubes foi bastante assimétrica no ano objeto da análise. O Palmeiras possui a capacidade de gerar R$ 172 milhões por ano, ao passo que Santos e Chapecoense não geram um único real. A geração de caixa média foi de R$ 50 milhões por ano nas duas últimas temporadas. 

Dívidas
Os clubes esportivos brasileiros devem quase R$ 5,3 bilhões à União, segundo dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional divulgados em reportagem do jornal Valor Econômico. 

Os mais endividados
O Corinthians lidera o ranking, com débito de R$ 737,7 milhões. Esse número não considera a dívida da Arena de Itaquera. Abaixo do time alvinegro aparecem Atlético Mineiro (R$ 356,5 milhões), Vasco da Gama (R$ 256,5 milhões), Botafogo (R$ 251,6 milhões) e Flamengo (R$ 224,2 milhões). O Palmeiras fecha o top 10, com déficit de R$ 88,3 milhões.

Débitos com a União
Ao todo, mais de 3,5 mil clubes esportivos e sociais têm débito com a União, sendo que os dez maiores devedores concentram 49% da dívida total.

 

Frase bíblica:
''Senhor, dá-nos a felicidade, pois és tu que realizas tudo o que fazemos''

*Isaías 26:12