No Bico do Corvo
Bloqueios 

Alguns moradores do Jardim Ipê e da zona norte da cidade, ligaram para este colunista, aparentemente divididos; uns expressam indignação e outros preocupação. Os indignados, reclamam pelo bloquei na localidade e questionam a razão da escolha, por parte da prefeitura. Os preocupados, temem que a doença se espalhe para valer, e acreditam que as pessoas infectadas deveriam se mudar para um hospital, ou centro de tratamento. 

Sem hospital de campanha
A ideia inicial era mesmo esta, de “internar” as pessoas com sintomas levem em hotéis, numa espécie de quarentena para avaliar a progressão do covid-19; quem melhorasse, voltaria para casa depois de 14 dias, quem piorasse, seria encaminhado para internação. O caso é que os hotéis não se habilitaram à chamada de edital e Foz, ficou sem um local para esse tipo de procedimento. 

Em casa
O que causa estranheza em muitas pessoas, é o fato de um parente próximo, mulher ou filho testarem positivo, e, ao serem atendidos, são mandados de volta para casa e as demais pessoas não residência não são testadas. Alguém relatou ao corvo, que os profissionais da vigilância epidemiológica dizem: “se apresentar os sintomas, nós testaremos”. E isso, que Foz é uma das cidades que mais testa. 

Muito estranho
O quinto óbito por covid-19 foi divulgado apenas quatro dias após. O homem de 52 anos, internado desde o dia 29 de março, teria vencido o coronavírus, mas permaneceu no hospital em razão de outras complicações. Morreu no dia 17 de junho. Que situação hein? Então, em realidade, ele não se curou. É uma fatalidade, mas, complicado de explicar.

50 mil
No início da pandemia, quando foi considerada resfriadinho, ou gripezinha, imaginam que o Brasil não superaria 20 mil óbitos, o que já era um exagero na cabeça de muita gente. Neste final de semana chegamos a 50 mil vítimas e, do jeito que a coisa vai, há quem garanta que bateremos os Estados Unidos hoje com mais de 121 mil mortos. Diante disso, se acalora o debate sobre ações genocidas, por parte de quem desprezou a doença, no momento em que as medidas deveriam endurecer.       

Vai passar
Cidades que suplantaram o pico, como Manaus, começam a ganhar ares de normalidade. Não há mais enterros em valas coletivas e nem caminhões frigoríficos ao lado dos hospitais. Mas tudo isso, apesar do alívio, custou caro para muitas famílias. 

O futuro
Acusar a irresponsabilidade ou negligência por parte de governantes, não está errado. Isso pode servir de exemplo e alerta, porque o covid-19 não será a última epidemia enfrentada pela humanidade. Outras certamente eclodirão e não é possível que nações sejam pegas de surpresa, como é o caso dos países considerados desenvolvidos, e até mesmo o Brasil, que sempre manteve tradição em combater endemias e epidemias. 

Trump & Bolsonaro
Essa dupla ainda vai dar o que falar. Concorrerão ao prêmio “piás pançudos 2020”, com essa mania de causar aglomerações, desrespeitando as regras de isolamento. Trump está em campanha e reúne simpatizantes, muitos sem máscaras, igual ao que acontece no Brasil, nas manifestações de apoio ao presidente. Será que essas pessoas acreditam mesmo que a melhor maneira de vencer o vírus é contraí-lo, para criar imunidade? Porque isso, ao que consta é uma loteria.  

Isolamento
Não vamos longe, em Foz do Iguaçu parece ser uma tarefa difícil manter casos positivos em isolamento. Há quem pule o muro e fuja e achando graça. Relataram um caso assim para o Corvo. 

E pensar...
...que em nosso país, a população deveria estar concentrada em combater o coronavírus, no entanto, perde o foco em meio a discussões políticas e a insistência dos perturbados da cabeça, em espalhar notícias falsas. Alguém enviou nota para o Corvo perguntando que nome dar a quem espalha fakenews? O correto, é chamar de “criminoso”, porque notícia falsa, mentiras espalhadas contra instituições e pessoas, é crime. Isso não é brincadeira e nem perseguição, é coisa séria. 

Inquérito
O combate às fakenews preocupa muita gente grande, que faz disso usual quando resolve atacar adversários. Blogueiros e influenciadores digitais, que se submetem a isso, se tornaram alvo de investigações em todo o país. Pode ser que o endurecimento ajude a moralizar o ambiente da informação eletrônica, avacalhada por baderneiros da informação, que se escondem na “liberdade de expressão”.  

Weintraub
O título do filme “A louca escapada” cai igual a uma luva, na peripécia do ex-ministro da educação, que se pirulitou às pressas para o E.U.A. Que doideira é essa? O que será, ele pensou que poderia acontecer, ficando no Brasil? Será que existe algo que não sabemos? Ou está convicto de ter cometido algum crime?

Mão aos céus
Os simpatizantes das ações sem cabimento de AbrahanWeintraub respiram aliviados. Nas redes sociais, há quem expresse um “graças a Deus ele está nos Estados Unidos”, pensa? Ilusão acreditarem que lá está seguro, em caso de se complicar com a Justiça; os Estados Unidos enviarão o rapaz de volta rapidinho. Trump pode ser parceiro de Bolsonaro, mas é o tipo de traição que ele adora aprontar. 

Em Atibaia
A cidade é muito bonita, com resorts, teleféricos, serras, verde exuberante, mas a propaganda não tem sido das melhores de uns tempos para cá. Primeiro por causa do sítio que seria do Lula, e, agora, em razão do confinamento do Flávio Queiroz. Que barbaridade.

Flávio Bolsonaro
Apesar da pressão, as diligências da PF concluíram que ele o patrimônio do filho do presidente, era compatível com a renda. A informação derruba as suspeitas, até porque isso foi divulgado pela Folha de São Paulo. Mas isso não desfaz as suspeitas sobre as “rachadinhas”.

Armistício
Jair Bolsonaro deve ter caído “na real” e por isso organizou frentes de conversas com ministros do supremo e governadores. A governabilidade é importante e encrencas, em tempo de pandemia, não são o melhor caminho para o governo. Contaram para o Corvo que os articuladores foram falar com ministros com certa desconfiança, porque o presidente sempre acaba roendo a corda. Entendam essa roedura como linguagem coloquial, por favor. 

Encrenca com cartunistas
Bolsonaro não deveria esquentar tanto a cabeça com o resultado do trabalho dos cartunistas, afinal, eles atual na mesma linha de seus ideólogos, em nome da “liberdade de expressão”. Lula e Temer foram os presidentes mais desenhados em todos os tempos, e, levavam as críticas para casa, sem problemas.  

Tri
No meio dessa baita secura, que é o isolamento, enfim lembranças boas, como a conquista do Tricampeonato da Seleção Brasileira, em 1970, no México. O Corvo ainda era filhotinho, mas vive revendo jogos e gols, no Youtube. Mais do que o título, bonita era ver aquele time jogar, não por acaso que se levou o título de “melhor equipe a pisar nos gramados” em toda a história do futebol. O mestre Armando Nogueira escreveu: “foi a sublimação do futebol”.