Paraguaios aproveitam desvalorização do Real para comprar em Foz


- Por: Redação 1

Paraguaios aproveitam desvalorização do Real para comprar em Foz
A valorização do Guarani frente ao Real está atraindo paraguaios para as compras em Foz

A valorização do Guarani frente ao Real, apesar dos percalços, já está atraindo uma parcela de paraguaios para as compras em Foz do Iguaçu nos setores de alimentação, bebidas, calçados e vestuários. Esse demanda deve aumentar com a abertura da Ceasa (Central de Abastecimento de Alimentos) nesta quarta-feira, 21,(feriado de Tiradentes) e da entrega, esperada para maio ou junho, do Mercado Municipal.
Comerciantes que conversaram com o GDia afirmam que a valorização da moeda estrangeira registra um aumento no movimento a partir de março. A desvalorização do Real aumenta o poder de compra dos paraguaios que geralmente adquirem os produtos brasileiros para revende-los do lado de lá da fronteira.
Mas ainda não é a percepção dos lojistas da Vila Portes. Ismail Magrão, dono de uma loja de confecção na região, diz as medidas restritivas ainda afugenta os paraguaios. "Com essa oscilação do Guarani era para as lojas da região estarem lotadas", disse.
"Se tivesse uma vacinação mais consistente, estaríamos num cenário melhor, porque o sistema (de saúde) do Paraguai é frágil, está em colapso. Hoje temos apenas 20% dos negócios e o socorro governo é pouco, dá apenas para pagar uma conta de água, luz, um botijão de gás. Esse auxílio retorna ao Estado, não gira a economia na rua", diz Ismail Magrão.
Drible - Para comprar em Foz do Iguaçu, os paraguaios tem que driblar a fiscalização da aduana e as barreiras sanitárias do lado de cá na fronteira. Mas para alguns vale o sacrifício. Para entender a vantagem aos paraguaios basta verificar a cotação do câmbio desde início do ano. Em janeiro, G$ 1.305,00 comprava por R$ 1,00 e hoje esse mesmo real vale G$ 1.080,00. "Para o setor do varejo está muito complicado, o setor atacadista está conseguindo uma pequena recuperação", diz o empresário.

Da redação
Foto: Roger Meireles

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas