Fiscalização da prefeitura quer garantir medidas restritivas em Foz


- Por: Redação 1

Fiscalização da prefeitura quer garantir medidas restritivas em Foz
Equipes de fiscalização mantém atividades para evitar descumprimento das restrições devido a pandemia

A Prefeitura de Foz do Iguaçu publicou nesta semana um novo decreto flexibilizando as medidas restritivas para evitar a disseminação do novo coronavírus (covid-19), devido à estabilização do número de casos da doença. Contudo, apesar das novas liberações, as ações de fiscalização para coibir o descumprimento das normas seguem em vigor pela Secretaria Municipal da Fazenda.
A Vigilância Epidemiológica confirmou, nesta quarta-feira (21), 69 casos de covid-19, totalizando agora 33.209 registros da doença no município, desde o início da pandemia. Destes, 32.010 pessoas já estão recuperadas (média de 96,3% do total). 
Dos novos casos, 38 são mulheres e 31 homens, com idades entre dois e 85 anos - 64 estão em isolamento domiciliar e cinco internados. Do total de casos ativos, 313 pessoas estão em isolamento domiciliar, com sinais e sintomas leves, e 142 estão internadas.
A cidade registrou mais três óbitos em consequência da covid-19. As vítimas são dois homens de 48 e 77 anos e uma mulher de 74 anos, somando agora 744 mortes pela doença. A taxa de letalidade é de 2,24% dos infectados. O índice está acima da 9ª Regional, que é de 1,99% e abaixo do Paraná - 2,69%. No Brasil a taxa é de 2,69%, enquanto no mundo é 2,13%.
Sem descuidar
De acordo com o diretor de Fiscalização, Nilton Zambotto, as equipes de fiscalização seguem em plantões diários para atender chamados e realizar inspeções em locais que não seguem as restrições vigentes, sem descuidar para evitar o aumento de casos. No último fim de semana, foram 172 vistorias, 38 multas aplicadas e 3 estabelecimentos interditados. 
Zambotto alerta ainda que estabelecimentos comerciais, bares e atividades gastronômicas devem permanecer funcionando com 30% da capacidade, mantendo o distanciamento social e as medidas sanitárias exigidas. 

“A liberação não significa que aglomerações estão permitidas. É preciso ficar atento ao que está previsto no decreto e seguir respeitando para que não tenhamos uma nova onda de casos no município. A responsabilidade de todos é essencial para que possam manter as flexibilizações”, afirmou. 

Ronildo Pimentel com Assessoria

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas