Bailarino Marcos Abranches utiliza deficiência como linguagem


- Por: Redação 1

Bailarino Marcos Abranches utiliza deficiência como linguagem

Em “O Canto dos Malditos’, o coreógrafo e bailarino traz para cena conflitos existenciais. Apresentação em vídeo estreia em 26/02, 18h, no site www.umnovoolhar.art.br  
 
 “O Canto dos Malditos”, com o bailarino e coreógrafo Marcos Abranches. Nascido com paralisia cerebral, ele encontrou na dança, mais do que um caminho para superar suas dificuldades físicas, uma vocação e uma profissão. Na apresentação, Marcos fala sobre seus processos de construção e pesquisa e apresenta sua obra em forma de videoarte. O projeto Um Novo Olhar  
No espetáculo solo, produzido especialmente para o projeto Um Novo Olhar, Marcos usa seu corpo para expressar sentimentos como a solidão, o fracasso e a tristeza frente as atrocidades da vida, trazendo para a cena como um desabafo, seus conflitos e questões sobre o homem e a sua inconsistência. 
A trajetória do artista 
Marcos Abranches, 43 anos, utiliza a própria deficiência como referência de estudo para a construção de sua linguagem artística corporal. Ele atuou na Cia. FAR 15, em trabalhos dirigidos e coreografados por Sandro Borelli e Sônia Soares – como "Senhor dos Anjos", "Jardim de Tântalo" e "Metamorfose". Em 2007, iniciou sua trajetória como artista independente, criando o coletivo Vidança Cia, que agrega artistas de diversas linguagens e que, em 2017, passou a ser chamado de Marcos Abranches & Cia. Em seu repertório, destacam-se as obras “Formas de Ver”, “Via de Regra”, ‘Corpo sobre Tela”, “Canto dos Malditos” e “O Grito”. 
Na Alemanha, Marcos Abranches participou do Kulturdifferenztans, em Colônia, e do Crossings Dance Festival, em Düsseldorf. Ele atuou na peça "Trem Fantasma", uma adaptação da obra "Navio Fantasma", de Wagner, e na ópera teatralizada "Vida e Obra de Joana D’Arc", no Deutsche Open Berlin. 

Funarte  
Imagem: Divulgação 

Leia mais na edição impressa.

Relacionadas